sexta-feira, 23 de abril de 2010

Poema sobre a fragilidade constante e doída de um coração no ápice de uma saudade por ora infinda.

Saudade...
Arde.

(Releitura)

Um comentário:

rafael Costa disse...

fogo que arde
ora infinda, mas cada dia mais breve.