domingo, 7 de setembro de 2008

O violão da Rita

Agora me resta apenas o violão e meus sentidos.
Seis sentidos em seis cordas.
Agora meu ritmo mudou,
minha batida descompassou,
meus atalhos não são os mesmos.
Agora só eu e minhas manias.
São tantos tratos...
Sobraram apenas fatias de mim,
Agora?
Ainda não quero rimar...

3 comentários:

Anônimo disse...

Lindo e triste

Tem cordas que tocamos, outras que nos amarram, outras que nos enforcam.

Tem rima que nem vale a pena

Thalita Castello Branco, disse...

São tantos tratos e trastes, cordas e arranhões... A vida é muito assim.

E você, não rime. Nem tudo precisa estar justo para soar bem. É como afinar um violão: nem muito, nem pouco, apenas na medida... da alma.

Um abraço, Mar.

Rafael Costa disse...

A Rita matou nosso amor
De vingança
Nem herança deixou
Não levou um tostão
Porque não tinha não
Mas causou perdas e danos
Levou os meus planos
Meus pobres enganos
Os meus vinte anos
O meu coração
E além de tudo
Me deixou mudo
Um violão